Público última hora  - 08 Set 08

 

Ano lectivo
Mais 60 por cento de vagas no ensino profissional para aproximar Portugal da média europeia

 

O ensino profissional abriu este ano mais 18 mil vagas, um número que pretende aproximar Portugal da média europeia através da conquista de jovens ao abandono e ao insucesso escolar.

 

A ministra da Educação anunciou que em 2008/2009 as escolas profissionais, públicas e particulares com contrato de associação vão abrir 48.672 vagas no 10º ano para estes cursos, mais 18.036 do que no ano passado, o que representa uma taxa de crescimento na ordem dos 58,9 por cento.

 

Em 2007/08, as escolas secundárias ofereceram 31.409 lugares, enquanto as profissionais 31.587.

 

Com este aumento de vagas, o Ministério pretende que "metade dos alunos à entrada do secundário optem pelos cursos profissionais ou vocacionais".

 

De acordo com o ME, em Portugal, em 2005, "40 por cento dos jovens entraram no mercado de trabalho sem o ensino secundário, quando na União Europeia (UE) a média é da ordem dos 80 por cento, e apenas 30 por cento dos jovens que frequentavam o ensino secundário estavam inscritos nas vias profissionais, o que compara com 70 por cento na UE".

 

Um dos objectivos do Governo é aproximar o país das médias da UE, reduzindo para 25 por cento o número de jovens que entra no mercado de trabalho sem o ensino secundário e aumentando para 50 por cento o número de alunos nas vias profissionais, através da conquista de alunos ao insucesso e ao abandono escolar.

 

"É necessário criar nos jovens a ideia de que há oportunidades de formação muito além do prosseguimento de estudos que os qualificam para o mercado de trabalho", afirmou Maria de Lurdes Rodrigues, salientando que, apesar da escolha por cursos profissionais, nada impede que estes alunos optem depois por prosseguir estudos no Ensino Superior.

 

Protocolos para estágios em Portugal e no estrangeiro

 

O crescimento dos cursos profissionais tem vindo a ser acompanhado por um conjunto de medidas, como, por exemplo, o programa de bolsas, de estágios e a criação de uma plataforma que permite aproximar as escolas e as empresas.

 

Em Junho, o ME celebrou protocolos que permitirão que grandes empresas da área das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) dêem formação a alunos, com a criação de academias junto de 30 escolas secundárias do país, com oferta de formação e certificação extracurricular nas respectivas áreas de especialidade, segundo as necessidades das próprias empresas.

 

Mediante os protocolos assinados, cada empresa proporcionará dez estágios, em Portugal ou no estrangeiro, a alunos dos cursos profissionais Técnico de Desenho Digital 3D, Técnico de Electrónica, Automação e Computadores, Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos, Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos, Técnico de Informática de Gestão e Técnico de Multimédia.

 

Os professores das escolas abrangidas nesta primeira fase iniciam este mês a formação para obter a certificação necessária para leccionar nas academias.

 

Lusa