Público - 07 Out 07

Gulbenkian quer "mostrar ao país" diferentes formas de formar pais
Andreia Sanches


Em Agosto, a Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) abriu um concurso destinado a apoiar entidades particulares com projectos de formação parental junto de famílias que, por alguma razão, correm o risco de perder as suas crianças para uma instituição. O prazo terminou na semana passada. Os serviços da FCG receberam 110 candidaturas que vão agora ser analisadas. Há 350 mil euros disponíveis para entidades que trabalhem em Lisboa, Amadora, Sintra e Setúbal.
A ideia da Gulbenkian é que este dinheiro sirva para ajudar as instituições a ter recursos mais especializados e constituir uma espécie de rede. A FCG quer sentá-las à mesma mesa, pô-las a debater e a partilhar formas de actuação, acompanhá-las, avaliá-las. O objectivo, diz Luísa Vale, do Serviço de Saúde e Desenvolvimento Humano da FCG, é "poder, daqui a algum tempo, mostrar ao país" diferentes metodologias de formação parental e "ter elementos que permitam dizer que estas funcionam e aquelas apresentam estes ou aqueles problemas".
A FCG acredita que a formação de pais pode ser uma alternativa à retirada de crianças do seio da famílias num país onde o próprio Governo considera que existem demasiados meninos em instituições - aliás, o Executivo estabeleceu a meta de reduzir em 25 por cento o número de crianças institucionalizadas. Segundo as estatísticas do Instituto de Segurança Social de 2004 havia, nesse ano, mais de 15 mil menores em instituições e famílias de acolhimento.
"Numa situação de risco, a institucionalização é a medida que os tribunais mais decretam. Claro que há situações em que o risco é tão grande, porque há problemas graves de alcoolismo, de toxicodependência, de maus tratos na família, por exemplo, que não faz sentido submeter a criança a esse risco", diz Luísa Vale. Mas outros casos há em que os pais simplesmente precisam de algum apoio, de um bom enquadramento, na sua própria casa, nas tarefas do dia-a-dia, diz Fátima Xarepe, directora da Passo a Passo, a primeira instituição a ser apoiada pela FCG - uma espécie de projecto-piloto deste programa