Público - 15 Out 06

Conferência internacional no CCB

"Lançar um debate sereno, sério e com dados objectivos sobre um tema pertinente, actual e urgente" é o objectivo da conferência internacional promovida pelo grupo socialista do Parlamento Europeu, amanhã, no CCB, adiantou a eurodeputada Edite Estrela. O primeiro-ministro, José Sócrates, e o ministro da Saúde, Correia de Campos, juntar-se-ão a especialistas da Dinamarca, Hungria e Espanha no debate sobre a saúde sexual e reprodutiva da mulher. Será lida uma mensagem do chefe do Governo espanhol, José Luís Zapatero. "O caso espanhol é sui generis, porque, tendo também uma lei restritiva, os resultados práticos são muito diferentes", justificou Estrela, adiantando que vai ser distribuído um estudo comparativo das leis do aborto vigentes em vários países. Os eurodeputados socialistas participarão "activamente" na campanha para o novo referendo e tentarão trazer eurodeputados internacionais, porque é necessário "acompanhar o que se passa nos países desenvolvidos", realçou ainda. S.B.

Organizações
à espera da data
da consulta

A sociedade civil ainda não tem uma estratégia definida, preferindo esperar a confirmação de um novo referendo à despenalização do aborto. De todo o modo, a tendência é para que cada associação desenvolva campanha autónoma, o que não impede acções conjuntas. As organizações de mulheres estão a fazer um "esforço de concertação", afirmou Maria José Magalhães, dirigente da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), realçando, porém: "Não estamos à espera de um coro afinado, que só chegaria a um determinado tipo de pessoas. Precisamos de dizer que todos estão a ser chamados para resolver um problema e não para responder de acordo com o seu interesse pessoal." A abordagem será "clara nos argumentos". "O problema está na desigualdade social provocada pela actual lei, que criou uma divisão injusta entre mulheres com posses e mulheres mais desfavorecidas." A Associação para o Planeamento da Família não irá lançar um movimento cívico, mas colocar à disposição o "conhecimento técnico" de que dispõe em matéria de direitos sexuais e reprodutivos, com o objectivo de "contribuir para desmistificar as ideias sobre o aborto", disse Duarte Vilar. O Movimento pela Despenalização da IVG - que entregou 41.667 assinaturas exigindo a mudança da lei no Parlamento - vai concentrar-se na AR, na quinta-feira, quando será debatido o projecto de resolução do PS que propõe novo referendo. O Movimento Democrático de Mulheres, também contra o referendo, tomará posição a 4 de Novembro. S.B.