Jornal de Negócios online - 03 Out 06

Bruxelas alerta para situação em Portugal

Sobreendividamento chega aos ricos

A subida dos juros está a penalizar o orçamento das famílias portuguesas e, segundo o "Correio da Manhã", já começam a surgir casos de sobreendividamento nas famílias com rendimentos mensais na ordem dos três, quatro e cinco mil euros.

Junto dos gabinetes de apoio ao endividamento da Associação para a Defesa do Consumidor, começam a aparecer mais situações de incumprimento e observa-se um agravamento dos casos de multi-endividamento.

Na DECO estão a aparecer frequentemente pessoas com seis e sete empréstimos em simultâneo, quando, há cerca de três anos, os casos mais graves de multi-endividamentos não iam além dos dois a três empréstimos, adianta o mesmo jornal, que cita Natália Nunes, coordenadora dos gabinetes de endividamento da DECO.

O endividamento das famílias em Portugal e outros cinco países da Zona Euro corre o risco de se tornar insustentável sobretudo num contexto de subida das taxas de juro, alertou ontem a Comissão Europeia, revela a edição de hoje do "Público".

O aviso foi lançado no relatório trimestral sobre a situação da economia da Zona Euro, que confirma que o crescimento da actividade atingiu o seu nível mais forte dos últimos seus anos, com um ritmo de anual de crescimento de 3,55 no primeiro semestre.

Bruxelas considera "preocupante" o nível de endividamento das famílias resultante dos créditos à habitação, cuja dinâmica considera insustentável em diversos Estados-Membros, apontando o dedo a Portugal, Espanha. Alemanha, Luxembrugo, Holanda e Irlanda.

A subida dos juros está a penalizar o orçamento das famílias portuguesas e, segundo o "Correio da Manhã", já começam a surgir casos de sobreendividamento nas famílias com rendimentos mensais na ordem dos três, quatro e cinco mil euros.

Junto dos gabinetes de apoio ao endividamento da Associação para a Defesa do Consumidor, começam a aparecer mais situações de incumprimento e observa-se um agravamento dos casos de multi-endividamento.

Na DECO estão a aparecer frequentemente pessoas com seis e sete empréstimos em simultâneo, quando, há cerca de três anos, os casos mais graves de multi-endividamentos não iam além dos dois a três empréstimos, adianta o mesmo jornal, que cita Natália Nunes, coordenadora dos gabinetes de endividamento da DECO.