Jornal de Negócios - 04 Nov 08

 

Diz presidente do Eurogrupo
Europa enganou-se "rotundamente" ao pensar que escaparia à crise

 

A Europa enganou-se "rotundamente" ao acreditar que seria poupada à crise financeira nascida nos Estados Unidos no Verão de 2007, admitiu hoje o líder dos ministros das Finanças da Zona Euro, o luxemburguês Jean-Claude Juncker.

 

"Enganámo-nos rotundamente relativamente às diversas sequências desta crise", disse o responsável do Eurogrupo numa audição perante a comissão dos Assuntos económicos do Parlamento Europeu.

 

A Comissão Europeia acaba de rever as suas previsões de crescimento: estima que a Zona euro já entrou em recessão, definida tecnicamente por dois trimestres consecutivos de recuo do PIB, e espera uma estagnação (0,1%) no próximo ano.

 

"Não pensamos ser a altura de ficar de braços cruzados face ao abrandamento conjuntural, perante a recessão que nos espera quando tínhamos pensado que não nos esperaria", disse ainda.

 

Juncker defendeu que os governos europeus, e nomeadamente os com margem orçamental para fazê-lo, deviam "tomar medidas dirigidas no curto prazo para não deslizarmos para uma situação de recessão pronunciada, ou até para uma verdadeira depressão".

 

Evocou entre outras medidas "reduções fiscais dirigidas para aumentar o poder de compra ou preservá-lo", nomeadamente para os europeus "mais vulneráveis".

 

O responsável do Eurogrupo lembrou também o programa de 25 mil milhões de euros de empréstimos preferenciais implementado nos Estados Unidos para ajudar o sector económico.

 

"Não é pensável, não é razoável, que os europeus não reajam", disse Juncker. "Os europeus não devem tomar uma medida idêntica, mas medidas dirigidas para os sectores industriais", afim de manter "a competitividade", afirmou.