Diário de Notícias - 04 Nov 08

 

Comissão antevê Portugal em recessão ainda este ano
Alexandra Carreira

 

Previsões. Numa altura em que todos discutiam se Portugal conseguiria ou não evitar a recessão em 2009, eis que a Comissão Europeia vem dizer que esta já chegou. Segundo as contas de Bruxelas, a economia portuguesa ter-se-á contraído 0,3% no terceiro trimestre e 0,1% no quarto

 

Comissão antevê Portugal em recessão ainda este ano

 

Portugal pode já ter entrado em recessão técnica. As previsões ontem divulgadas pela Comissão Europeia apontam para duas contrações em cadeia consecutivas do Produto Interno Bruto (PIB), no terceiro (-0,3%) e quarto trimestre deste ano (-0,1%).

 

A avaliar pelas Previsões de Outono, ontem divulgadas pela Comissão Europeia, o próximo ano será de estagnação económica para Portugal, para a zona euro e para o conjunto da União Europeia (UE). O cenário, enegrecido pela crise financeira global, vota Portugal a um crescimento do PIB de apenas 0,1% para 2009, valor idêntico ao previsto para o conjunto de países da moeda única.

 

As perspectivas são incertas e os números preocupantes. O défice vai crescer de 2,2% para 2,8% do PIB no próximo ano, segundo as Previsões Económicas do Outono preparadas pelo executivo. Num cenário de políticas inalteradas, Bruxelas aponta que, em 2010, o défice português possa novamente ultrapassar a barreira dos 3%, imposta pelo Pacto de Estabilidade e de Crescimento (PEC). Apesar da previsão, o comissário Joaquín Almunia, responsável pela pasta, aponta que "há mais do que tempo para corrigir" o desequilíbrio.

 

2010 é, para já, a grande incógnita, dadas as incertezas da situação financeira global, mas Bruxelas prevê alguns sinais de retoma económica. Portugal apresentará, diz a Comissão Europeia, um crescimento de 0,7%, ao passo que a zona euro crescerá à taxa de 0,9% e a UE de 1,1%.

 

Os números referentes à inflação são a única boa notícia que Bruxelas deu ontem. A tendência é descendente, sendo que a Zona Euro vai notar uma descida dos 3,5%, previstos para este ano, para 2,2% em 2009. Em 2008, Portugal fica abaixo da linha da zona euro registando uma taxa de 2,9%, mas ultrapassa no próximo ano, ficando nos 2,3%

 

"A desaceleração económica em Portugal ao longo de 2008 foi rápida", aponta o relatório do executivo de Durão Barroso, o que explica a quebra nas importações e exportações, e também no investimento. Piorou o endividamento das famílias, bem como as condições de acesso ao crédito. O desemprego vai subir, ficando nos 7,9%, e a dívida pública confirma em 2009 a tendência ascendente.