Público - 13 Mai 08

 

Definição de "betinho" em glossário do IDT gera polémica

 

Segundo o dicionário oficial criado pelo Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT) destinado a crianças e jovens a partir dos 11 anos (em www.tu-alinhas.pt), "betinho", "cocó" ou "careta" é "aquele que não consome droga e, por isso, é considerado conservador, desprezível e desinteressante".

 

Confrontada com esta enciclopédia de termos e significados relacionados com o mundo da droga e toxicodependência, a Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE) considerou "muito preocupante" que seja transmitida uma "imagem convidativa das drogas". "É fundamental que os jovens sejam informados, mas a forma como a informação está disponibilizada aumenta seguramente a curiosidade dos miúdos em relação às drogas. Pode fazer com que eles não queiram ser os betinhos que não consomem."

 

Para a deputada do CDS-PP, Teresa Caeiro, "o dicionário do IDT é irresponsável. Passar a ideia que um betinho é alguém que não se droga e por isso desinteressante e conservador é uma brincadeira de muito mau gosto". "O IDT é um organismo público que prossegue fins públicos. É por isso inaceitável que trate com ligeireza o consumo de droga e que incentive frases de quem se acha engraçadinho", criticou, referindo que a direcção do IDT devia "ser responsável perante o erro".

 

Também Eduardo Correia, presidente do Movimento Mérito e Sociedade (MMS), considerou "necessária a demissão imediata de toda a direcção do IDT", defendendo que "o trabalho não tem apresentado resultados merecedores de qualquer referência positiva no nível de qualidade de vida das famílias em Portugal".

 

Em declarações à agência Lusa, o presidente do IDT, João Goulão, disse que o dicionário "tem alguma utilidade" e explicou que é mais seguro para um jovem consultar um glossário do que ficar mal informado. Goulão adianta que um jovem que desconheça um termo sente-se menorizado e pouco à-vontade para perguntar o significado. "Isso pode ser muito mais perturbador e muito mais desencadeador de curiosidade do que propriamente ter um local onde encontrar respostas às suas dúvidas", acrescentou.

 

O presidente do IDT disse ainda que o site foi "elaborado e preparado com a colaboração das estruturas do ministério da Educação". "Não estamos fechados a mais reflexão sobre o assunto (dicionário), mas à partida não me parece que haja necessidade disso", esclareceu.

 

João Goulão defende que o glossário tem utilidade e que foi feito com a colaboração do Ministério da Educação