Público online - 23 Mai 06

Estudo divulgado num colóquio sobre toxicodependência

Metade dos jovens de 13 anos consome bebidas alcoólicas

Quase metade dos adolescentes portugueses com 13 anos de idade consome bebidas alcoólicas e um em cada quatro prefere bebidas destiladas à cerveja ou ao vinho, revela um estudo divulgado hoje num colóquio sobre toxicodependência.

Quarenta e sete por cento dos jovens no ensino público com 13 anos já tinham consumido bebidas alcoólicas, uma tendência mais acentuada nos rapazes (53 por cento) do que nas raparigas (42 por cento), segundo os dados referentes a 2003 de um trabalho sobre consumo de álcool e adolescência, apresentados pela coordenadora nacional dos estudos em meio escolar, Fernanda Feijão.

A percentagem de jovens que bebem bebidas alcoólicas aumenta com a idade, sendo já superior a 60 por cento nos 14 anos, a 70 por cento nos 15 anos, a 80 por cento nos 16 e acima dos 90 por cento a partir dos 17 anos de idade.

Quanto às bebidas de escolha, Fernanda Feijão chamou a atenção para o facto de entre os jovens com 13 anos haver já uma prevalência de consumo das destiladas sobre as outras, nomeadamente a cerveja.

Assim, 22 por cento destes adolescentes escolhem as bebidas destiladas, com pouca distinção entre rapazes e raparigas, enquanto que apenas 12 optam pela cerveja e oito por cento preferem o vinho, sendo que a maioria destes é do sexo masculino.

Nas idades mais avançadas, e até aos 18 anos, a tendência é a mesma, sempre com preferência pelas bebidas destiladas, seguindo-se a cerveja e finalmente o vinho.

As bebedeiras também começam cedo, revela o estudo, indicando que aos 13 anos, sete por cento dos jovens já se tinha embebedado. A tendência é crescente e sempre mais acentuada entre os rapazes.

Este estudo foi feito a partir de uma amostra de 18 mil alunos portugueses, de 933 turmas de mais de 600 escolas do país, e realizou-se no âmbito de um estudo europeu sobre consumo de álcool e outras drogas em jovens até aos 16 anos, denominado Espad - European School Survey Project on Alcohol and Drugs.

Da autoria de Fernanda Feijão e Elsa Lavado, o trabalho português incluiu dados representativos dos 13 aos 18 anos, embora o Espad só inclua os elementos relativos a adolescentes até aos 16 anos.

A dependência do álcool foi um dos temas abordados hoje no XIX Encontro das Taipas, que decorre desde ontem em Lisboa.