Jornal de Negócios online - 09 Jun 08

 

Juros na habitação sobem para 5,5% até ao final do ano
Sara Antunes

 

As taxas Euribor voltaram a disparar e superaram mesmo os 5% pela primeira vez desde 2000, o que torna cada vez mais difícil o cumprimento das obrigações das famílias para com os bancos. Desde 2004, as prestações dos empréstimos à habitação aumentaram mais de 40%.

 

se as prestações sobem, os salários cresceram muito menos, numa altura em que os preços dos alimentos encarecem e os combustíveis não param de aumentar.

 

Na semana passada, o Banco Central Europeu (BCE) reuniu e manteve a taxa de juro de referência para a Zona Euro inalterada nos 4%. Contudo, o presidente da autoridade monetária, Jean-Claude Trichet, alertou o mercado para a hipótese de o BCE efectuar aumentos de juros (ver pág 6/7).

 

O mercado reagiu às declarações e as taxas Euribor dispararam. A taxa a seis meses subiu e superou, pela primeira vez desde 2000, os 5%.

 

Qual é o impacto desta subida?

 

O Jornal de Negócios fez os cálculos e concluiu que, desde 2004, altura em que as Euribor se encontravam nos níveis mais baixos de sempre, as prestações dos empréstimos à habitação aumentaram 41,75%. Por um crédito de 100 mil euros, a 30 anos, com um "spread" de 0,7% e indexado à Euribor a seis meses, uma família pagava por mês 414,52 euros, em Janeiro de 2004. Se a taxa a seis meses encerrar Junho em torno do valor de sexta-feira (5,113%), a prestação do mesmo empréstimo passará para os 587,58 euros.