Diário Digital - 03 Jun 08

 

Amadora e Loures concelhos Lisboa com mais crianças barracas

 

Amadora e Loures são os dois concelhos da área da grande Lisboa com maior percentagem de crianças a viver em barracas e em bairros de realojamento, segundo um estudo sobre a pobreza infantil publicado agora em livro.

 

O livro Um olhar sobre a pobreza infantil: Análise do bem-estar das crianças, de Amélia Bastos, Graça Leão Fernandes, Jose Passos e Maria João Malho, apresenta um estudo económico-social sobre crianças nos concelhos de Amadora, Cascais, Lisboa, Loures, Odivelas, Oeiras e Sintra.

 

O inquérito permitiu analisar cinco mil crianças destes sete concelhos, com idades entre os sete e os 12 anos, que frequentaram os anos lectivos de 2004/2005 e 2005/2006.

 

De acordo com o trabalho, os concelhos analisados podem dividir-se em dois grupos extremos: Amadora e Loures, por um lado, e Oeiras, por outro.

 

Entre estes estão os concelhos de Cascais, Lisboa, Odivelas e Sintra.Amadora e Loures são os concelhos com maior percentagem de famílias de etnia negra, registando ainda um maior peso de monoparentalidade feminina e de famílias numerosas.

 

Nestes dois concelhos, os pais e as mães das crianças analisadas tem em geral baixa escolaridade e reduzidas qualificações profissionais.

 

Por outro lado, as condições de habitabilidade são mais degradadas do que no resto da região da Grande Lisboa, apresentando uma maior percentagem de crianças a viver em barracas e bairros de realojamento onde dispõem de menos equipamento e menor variedade de brinquedos.

 

Por estas razões, é maior a percentagem nestes concelhos de crianças que afirma não gostar do bairro onde vivem e que se dizem infelizes com a vida que têm.No entanto, ao contrário das crianças de Loures, as crianças da Amadora têm a percepção de existência de dificuldades financeiras no agregado familiar.

 

Estas crianças, segundo o inquérito, são também as que tomam menos banhos semanais, têm uma alimentação menos equilibrada e vão para a escola a pé e sozinhas.De acordo com o estudo, no lado oposto está o concelho de Oeiras, o que tem a menor percentagem de crianças carenciadas.

 

Oeiras tem a menor percentagem de agregados de outras etnias e uma maior percentagem de agregados só com um filho.Os pais e as mães têm elevados graus de escolaridade e profissões altamente qualificadas.

 

As crianças deste concelho frequentaram jardins-de -infância, fazem consultas médicas de rotina mesmo quando não estão doentes e passam frequentemente férias no estrangeiro.

 

As condições de habitabilidade são também das melhores da região de Lisboa, com uma percentagem elevada de crianças a viver em moradias/apartamentos maiores, mais bem equipados e com variedade de brinquedos.

 

Ainda segundo o estudo, as crianças inquiridas neste concelho vão e vêm para e da escola com os pais e de carro.