Diário de Notícias - 14 Jan 09

 

França é a campeã europeia da natalidade
Patrícia Viegas

 

UE. Nasceram, em média, 2,02 filhos por cada mulher francesa em 2008

 

Muitas mulheres são mães já depois dos 35, uma tendência europeia

 

A taxa de fecundidade ultrapassou a barra dos dois filhos por mulher em 2008, em França, tornando o país no campeão da natalidade europeia, segundo dados estatísticos oficiais nacionais ontem divulgados.

 

As chamadas políticas amigas da família e a imagem positiva das mulheres que conciliam o trabalho com a vida familiar poderão estar na origem deste mini baby-boom.

 

No ano passado nasceram 834 mil novas crianças em França, um número recorde em quase três décadas, de acordo com os elementos do Instituto Nacional de Estatística, Insee, o que dá uma média de 2,02 filhos por mulher, contra 1,98, em 2007.

 

Aquele que é o segundo país mais populoso da União Europeia, logo a seguir à Alemanha, está assim mais próximo de uma taxa de 2,07, a qual permite que exista uma renovação natural das gerações.

 

A idade em que as mulheres são mães pela primeira é, em média, de 30 anos e, segundo o Insee, 21,5% dos bebés nascidos em França no ano passado são filhos de mulheres com 35 anos de idade ou mais.

 

"Esta é uma tendência generalizada na Europa, à excepção dos países do Leste que entraram recentemente na União Europeia", referiu a investigadora Anne Pla, do Insee, citada pelo Le Monde online.

 

Graças a esta elevada taxa de fecundidade, lembrou a AFP, a população aumentou em 366 500 pessoas: no dia 1 de Janeiro de 2009 a França tinha 64,3 milhões de habitantes. As estatísticas revelaram, igualmente, que a maioria dos nascimentos, 52%, ocorreram fora do casamento.

 

A França é, como a Irlanda, um dos países que contrariam a tendência europeia de uma redução da taxa de fecundidade das mulheres. Nove países, entre eles Portugal, já chegaram mesmo a registar mais mortes do que nascimentos. A UE sofre de um grave problema demográfico que, lembra o EUObserver, só é contrariado pelos imigrantes - os mesmos que os europeus procuram travar e controlar a todo o custo.