Público - 07 Dez 06

Novos radares a partir de 21 de Dezembro

Câmara de Lisboa aperta cerco ao excesso de velocidade

Alexandra Reis

 

Sistema pioneiro no país
funcionará para já com
carácter apenas preventivo.
Só em 2007 as multas começam
a doer

 

A Câmara de Lisboa vai pôr a funcionar no próximo dia 21, nas principais vias rodoviárias da cidade, 21 novos radares de controlo de velocidade.
Numa primeira fase a medida terá apenas um carácter preventivo, informando os automobilistas da velocidade que é permitida para cada zona. Mais tarde, em data ainda a definir, quem transgredir esse limite passa a ser penalizado.
Este sistema de detecção de excesso de velocidade e controlo de tráfego, orçado em cerca de 2,5 milhões de euros, inclui ainda seis painéis de informação nas 13 vias da cidade com maiores taxas de sinistralidade - casos da Segunda Circular e Avenida Infante D. Henrique - e nos troços da capital onde os automobilistas mais excedem a velocidade máxima permitida, como a Avenida Brasília e a saída do túnel da Avenida João XXI. Segundo o gabinete da vereadora da Mobilidade, Marina Ferreira, o equipamento está neste momento a ser instalado, entrando em funcionamento a 21 de Dezembro.

Como funciona o sistema
O sistema, "perfeitamente visível e identificável em cada artéria", avisa previamente os condutores em excesso de velocidade através de uma mensagem luminosa inscrita em painéis informativos que estarão localizados em pórticos de um lado ao outro da via. Os automobilistas só são autuados se entretanto não abrandarem a marcha até chegarem ao radar associado, situado na maioria dos casos 300 metros mais à frente.
Quando isso acontecer, será enviada uma fotografia, em tempo real, com os dados da transgressão (data, hora, local, velocidade e matrícula do veículo) a uma Central de Controlo e Vigilância da Polícia Municipal de Lisboa, que, por sua vez, multa o condutor.
O equipamento integra ainda um sistema de vídeo - ligado ao centro de tráfego do Departamento de Segurança Rodoviária e Tráfego da autarquia - que mede o volume de tráfego e, em tempo real, transmite aos condutores os momentos em que o trânsito está mais congestionado. Na Polícia Municipal será ainda instalado um sistema de gestão para tratamento e leitura dos dados recebidos para efeitos de fiscalização.
Esta medida insere-se no programa Lisboa Capital da Segurança Rodoviária 2006, anunciado no ano passado com o objectivo primordial de diminuir a sinistralidade rodoviária mortal na cidade. Segundo a Câmara de Lisboa, este sistema é pioneiro em Portugal e "existe em poucos países". Em 2005, a Segunda Circular foi a artéria de Lisboa onde se registaram mais acidentes, com mais de três centenas e meia de ocorrências.