Diário do Minho  - 27 Dez 05

D. Jorge Ortiga apela à salvaguarda do matrimónio, família e vida

 

O Arcebispo de Braga convidou as famílias cristãs a «promover a salvaguarda do matrimónio, da família e da vida», encarando-a como uma «missão sócio-política importantíssima». O convite foi feito domingo, na Sé de Braga, durante a celebração da Missa de Natal. «Hoje mais do que nunca », alertou o Arcebispo de Braga e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, «é imperioso a defesa das famílias baseadas no matrimónio e um apoio e valorização da missão educativa dentro da família para chegar a um comportamento activo na protecção da vida desde o início até à morte natural». «Os cristãos terão de se empenhar neste sentido. Sem este exercício de cidadania, continuaremos a caminhar para índices alarmantes de decadência familiar », afirmou também D. Jorge Ortiga. Esta decadência, segundo o Arcebispo de Braga, reflecte-se na «diminuição de casamentos, religiosos e civis »; no «aumento das convivências em uniões de facto, muitas vezes de tipo homossexual»; na «alta percentagem de divórcios»; no «número reduzido de filhos» e no «aumento impressionante » de abortos. Consequência da «sociedade do bem-estar e da diversão», baseada «num materialismo prático de tipo hedonístico» e com adesão porque recorre a «meios sofisticados de publicidade». «Só que, por outro lado — continuou D. Jorge Ortiga —, sei que começa a ser intensa a procura da espiritualidade e o desejo dum amor conseguido. Alguns jovens assumem, com seriedade, o compromisso de constituir família cristã, pois descobriram Deus e disponibilizam- se para um “sim” a uma relação inseparável e duradoura dum matrimónio celebrado diante de Deus. Os filhos são vistos como um verdadeiro dom e presenciamos a alegria das famílias numerosas», disse também o Arcebispo Primaz.

Trabalha-se «desnecessariamente » ao Domingo

Presidindo à Missa do Dia de Natal, D. Jorge Ortiga recordou que o nascimento de Jesus, marcado pela pobreza, aconteceu em ambiente familiar. Algo que começa a não haver actualmente, porque o Domingo deixou de ser o Dia da Família. «A Família necessita de tempo exclusivamente para si. O ritmo semanal do trabalho dos pais e a sobrecarga escolar e extra-escolar dos filhos, não permitem espaços para a intimidade, para um lar onde se conversa, joga, partilha preocupações », constatou domingo o Arcebispo Primaz. Mas — reconheceu —, «como consequência dum ritmo alucinante, deparamos com um crescente espaço de depressão a que nem sempre as estatísticas concedem a verdade dos números». «Há gente que trabalha [ao Domingo] desnecessariamente, existem dinamismos comerciais que distraem mas não promovem a comunhão familiar», disse ainda D. Jorge Ortiga, que considera que está na hora de «exigir uma nova regulamentação do trabalho ao Domingo» e de as comunidades cristãs educarem para «a alegria de estar juntos, aproveitar a natureza, efectuar jogos de diversão». Para a Igreja, segundo o Arcebispo de Braga, também constitui «um particular desafio» os problemas e os sofrimentos de muitas famílias. «Não ignoramos os dramas de muitos lares. Como Igreja e particularmente através de casais cristãos — propôs D. Jorge Ortiga —, teremos de entrar nas “casas” onde reina o sofrimento e, com serenidade e competência, encontrar respostas adequadas». Na sua homilia de Natal, o Arcebispo de Braga considerou ainda que «a família deve evangelizar-se e tornar-se o ponto de partida para a evangelização da sociedade hodierna». «Se os pais procurassem conhecer o que se passa com os seus filhos [na escola], sentiriam um apelo a um compromisso maior. Só a família pode tornar-se a verdadeira e autêntica escola de vida, de amor e de fé. Urge — disse também D. Jorge Ortiga na Missa de Natal — que as famílias tomem a sério a tarefa que lhes compete ». Porque, acrescentou, «não é com a sua demissão que poderemos esperar um futuro de esperança». Nem permitindo que «um número reduzido» de pessoas imponha as suas ideias a toda a sociedade, como aconteceu recentemente com a proposta de retirada dos crucifixos das escolas.

 

WB00789_.gif (161 bytes)