Diário de Notícias  - 11 Ago 08

 

Governo aconselhado a rever rendimento social
Susete Francisco

 

Apoios. Padre contra subsidiodependência promovida pelo Estado

 

Depois do CDS, alerta vem do líder da rede europeia antipobreza

 

O presidente da Rede Europeia Antipobreza, padre Jardim Moreira, defende que é urgente pôr fim a políticas que promovam a subsidiodependência. "Mantém-se pessoas em situação de pobreza e cria-lhes vícios que não são fáceis de suplantar", afirmou à Rádio Renascença, numa reacção à notícia do aumento do número de beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI).

 

De acordo com dados divulgados pelo ministério do Trabalho e Segurança Social, o número de pessoas e famílias abrangidas pelo RSI aumento em todos os distritos do País (com excepção de Santarém, onde o número de famílias desceu, mas o número de beneficiários aumentou). No total, são cerca de dois milhões a receber o RSI. O maior agravamento foi em Lisboa - no primeiro semestre de 2008 o RSI abrangia 94 mil famílias, o correspondente a 266 mil pessoas. Mais 22 mil agregados e mais 72 mil pessoas do que no mesmo período do ano anterior. Valores face aos quais o padre Jardim Moreira sustentou à RR que é fundamental avançar com uma reinserção social efectiva, em vez de dar apenas dinheiro.

 

O aumento do número de beneficiários do RSI é uma questão que o CDS já prometeu levar à Assembleia da República no reinício dos trabalhos parlamentares, em Setembro - os centristas querem ouvir Edmundo Martinho, presidente do Instituto de Segurança Social e da comissão nacional de acompanhamento do RSI sobre as razões deste aumento. O CDS tem vindo a criticar a forma como o subsídio é atribuído. "Pessoas com menos de 25 anos deviam estar no mercado de trabalho, mas algumas parecem utilizar o RSI como uma forma de vida", afirmou já o deputado Pedro Mota Soares.